fbpx
Bem-vindo(a)!
+55 (11) 99944 2309

Ensinando jogos

13.01.2021
Autismo Cuidados Dica Outros transtornos Sinais

Recentemente, lançamos um novo curso online: ”É hora de brincar!”. Por isso, viemos dar algumas dicas e uma pequena prévia desse novo conteúdo. Que tal aprender como brincar com as crianças e também como estimulá-las com jogos divertidos?

A dica é “quebrar” os jogos em diversas atividades e partes menores. Veja se tem todos os pré-requisitos que precisa para sentar e jogar.

ensinando jogos

Os jogos e suas partes

Normalmente, o que acontece é que tentamos brincar com crianças mais desatentas ou que possuem autismo e, logo de cara, já queremos colocá-las sentadas e prontas para começar a jogar de acordo com as regras. Para nós, os jogos são simples e intuitivos, e por vezes esperamos que a criança aja conforme esse nosso julgamento. Mas para ela as coisas podem não ser tão simples assim!

Assim, nesses casos nós esquecemos de trabalhar, pedir e entender que mesmo os jogos mais simples são compostos de várias atividades que são encadeadas. Se a criança não estiver entendendo como o jogo funciona, é sempre legal ir por partes. Então, a primeira coisa que a criança precisa aprender é a se sentar à mesa junto dos outros, por exemplo. Em seguida, vale mostrar toda a montagem do jogo e explicar como ele funciona. Depois, podemos começar uma partida experimental, por assim dizer, estando atentos aos erros e “corrigindo-os” sem dar broncas. Muitas vezes a criança erra porque não entendeu o encadeamento das regras! Assim, é legal corrigi-la brincando, gracejando e fazendo piadas leves. Dessa forma, ela pode aprender as regras de forma divertida, entendendo o porquê delas, e não como se elas fossem uma “ordem” ou uma “obrigação” como escovar os dentes ou lavar as mãos.

Exemplo: o jogo da memória

Vamos ver como isso funcionaria num caso muito comum?

Um dos jogos mais simples de todos e que todo mundo tem em casa é o jogo da memória. Geralmente queremos que a criança se sente e já inicie o jogo, virando e desvirando os pares de cartas. Mas às vezes isso é demais para a criança! É sempre bom que ela aprenda por partes, na velocidade dela.

Na hora do jogo, numa primeira rodada, vale mostrar que, se ela encontrar algum par, ela ganhará um prêmio. Sempre que as cartas viradas não forem iguais, ela deve virar as mesmas de cabeça para baixo. Vale também explicar como funciona o andamento da partida, onde cada um tem sua vez de jogar, fazendo trocas de turno.

Assim, devemos ensinar os jogos aos nossos pequenos em partes. Não adianta tentar apresentar as cartas e logo querer que a criança saiba brincar! Primeiro mostre as cartas, indicando que elas são repetidas, em pares. Depois, mostre como elas são dispostas na mesa: de cabeça para baixo e embaralhadas. Em seguida, comece com uma rodada simples. E assim por diante.

Regras + diversão: esse encontro é possível?

Ouvimos nas clínicas muitos relatos de pacientes que se frustram porque o filho não quer brincar de algo planejado. Contudo, muitas vezes a criança não quer jogar porque não entende as regras e não sabe que aquele momento será super divertido. Assim, para ela uma atividade “com regras” pode soar como uma ordem incômoda! É sempre legal mostrar para elas que os jogos, mesmo que tenham regras, são feitos para nos divertir.

A dica é “quebrar” os jogos em diversas atividades e partes menores. Veja se tem todos os pré-requisitos que precisa para sentar e jogar. Acostume a criança com cada uma das partes, desde o início da atividade. Caso seja necessário, faça apenas uma fase do jogo durante uma semana inteira. Quando ele tiver gostando, passe para a segunda fase e assim por diante.

Essa dica, aliás, vale para qualquer jogo que você tem na sua casa! Por exemplo, no brinquedo “Pula Pirata”, você precisa ensinar a ação mecânica da espada no barril e, só depois, iniciar o jogo valendo. No caso do brinquedo “Quebra Gelo”, vale ensinar como funciona o martelo primeiro e depois explicar as regras da atividade.

Não se esqueça que, para a gente, tudo é muito simples, mas para as crianças é realmente difícil. Para crianças com atrasos ou distúrbios do desenvolvimento, é ainda mais complexo!

A importância das jogos

Por isso, precisamos pensar em estratégias para utilizar brincadeiras e jogos de uma maneira divertida e funcional, que estimule o desenvolvimento do seu pequeno. Não existe coisa melhor do que aprender brincando! Brincar pode, por exemplo, estimular nossa atenção, estreitar nossos vínculos, e inclusive estimular o desenvolvimento da fala da criança.

Então, por que não aproveitar as brincadeiras para aprender de uma maneira lúdica, espontânea e descomplicada?

Prefere ver esse conteúdo em formato de vídeo? É só clicar abaixo:

0

Autor(a): Equipe Instituto Singular

Psicólogas e Terapeutas

Esta dica foi escrita em conjunto por algumas psicólogas e terapeutas do Instituto Singular. Todos os artigos deste site são escritos por profissionais especializados em autismo e desenvolvimento infantil.

Mulher mexendo no computador
Anterior

Cursos | Como escolher qual devo fazer?

Casal preocupado
Próximo

A culpa que os pais sentem