Autismo em bebês: como identificar? O que fazer?

O autismo em bebês aparece com sinais sutis desde os primeiros meses de vida e muitos estudos mostram resultados promissores com terapias para crianças menores de 12 meses. Com a estimulação, ocorre aumento da socialização e comunicação, proporcional ao que se é esperado para essa idade. Assim, temos chances de minimizar os prejuízos e amenizar muitos sinais antes que se acentuem e se transformem grandes atrasos.

É sempre importante estar atento a esses traços e aceitá-los quando forem notados. Em seguida, devemos buscar um profissional capacitado para avaliar nossos pequenos!

Quanto antes identificarmos os sinais e começarmos as intervenções, melhor! O cérebro dos bebês é cheio de neuroplasticidade e se molda mais fácil.

bebês

Mas, afinal, quais são os sinais de autismo em um bebê que ainda não fala?

Principais sinais de autismo em bebês:

  • Precisam de mais estímulos para olhar e atender a chamados;
  • Tendem a não olhar quando chamamos o nome;
  • Fazem pouco contato visual quando estão mamando;
  • São agitados ou passivos demais;
  • São hiperorais (levam tudo à boca). É verdade: bebês já fazem isso normalmente, no entanto, o bebê autista faz ainda mais;
  • Podem não gostar de toques, abraços e se incomodam com proximidade tátil;
  • Vão no colo de qualquer pessoa. Bebês autistas não apresentam a seletividade do adulto, como é comum na sua idade.

Socialização

  • Parecem bebês “sérios”, que sorriem pouco;
  • Fazem poucas expressões faciais adequadas para as situações (parecem alheios ao exterior);
  • Compartilham pouco os objetos. Crianças e bebês tendem a olhar para seus cuidadores ao vê-los brincando com objetos que gostam. Entretanto, é bem raro que os pequenos no TEA façam isso;
  • “Mostram” pouco as coisas legais aos cuidadores;
  • Não brincam de faz-de-conta.

Comunicação

  • Não apontam. Atenção a esse sinal fundamental;
  • Não imitam os pais ou qualquer outro cuidador;
  • Não tem interesse por interagir sociailmente;
  • Não gesticulam, apontam ou balbuciam com 12 meses;
  • Não falam nenhuma pequena palavrinha quando já estão com 16 meses;
  • Não fazem frases funcionais com pelo menos duas palavras aos 24 meses. E funcional significa com o objetivo de se comunicar;
  • Podem ter regressão de fala e de comportamentos que já faziam.

Brincadeiras

  • Espalham os brinquedos e não os usam com a função esperada;
  • Gostam de coisas brilhantes ou que fazem movimentos repetitivos, tais como um ventilador rodando;
  • Por falta de reciprocidade social, ignoram quando se aproximam para brincar ou conversar;
  • Preferem brincar sozinhos;
  • Podem apresentar movimentos estereotipados e repetitivos, tais como ficar correndo de um lado para outro sem objetivo, abanar as mãos, dar gritinhos, pular e rodar sem sentido;
  • Tem um apego extremo a objetos. Ou seja, não desgrudam de certos objetos e, quando são forçados a isso, podem chorar ou gritar;
  • Ficam segurando um objeto sem usá-lo com a função esperada.

Atenção a esses sinais nos bebês!

Quanto mais cedo identificarmos os traços de autismo em um bebê e começarmos a cuidar, mais chances essa criança tem de ter um futuro com independência e autonomia. Afinal, não é isso que queremos para todos nós?

Quer mais dicas sobre autismo em bebês? Assista ao vídeo abaixo e acesse o canal do You:Tube da Mayra Gaiato para mais:

Compartilhe:
Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Email

Não encontrou o que precisava?

Entre em contato com a gente!